As mudanças recentes envolveram uma grande reestruturação da Fundaj, como a fusão das diretorias de Documentação (acervo) e Cultura para dar lugar à Meca (Memória, Educação, Cultura e Arte); e também a recriação da Diretoria de Formação e Desenvolvimento Profissional, responsável pelos cursos de especialização e mestrado; além do fortalecimento da Diretoria de Pesquisas Sociais, que compõe o terceiro pilar de sustentabilidade da Nova Fundaj.

Assim, o viés educacional passou a guiar todo o arsenal da instituição: o corpo técnico de pesquisa – formado por mestres e doutores; os vastos acervos documental e iconográfico; os equipamentos culturais do Museu do Homem do Nordeste, Editora Massangana, Cinema da Fundação, as três galerias de arte, duas bibliotecas, Engenho Massangana, Sala de Videoarte e o Centro Audiovisual do Norte e Nordeste (Canne).

Logo, as primeiras ações práticas foram encampadas: A Editora Massangana fortaleceu sua identidade de editora universitária, ganhando um novo Conselho Editorial para alavancar a produção do conhecimento; O Engenho Massangana foi requalificado e transformado em museu a céu aberto para contar a história do patrono Joaquim Nabuco, recebendo grupos de estudantes de escolas públicas; O Cinema da Fundação consolidou sessões gratuitas para professores, às quartas-feiras; O Museu do Homem do Nordeste intensificou as ações da Coordenação de Projetos Educativos, com visitas noturnas promovidas para alunos do Ensino de Jovens e Adultos (EJA), e diurnas para várias escolas, gratuitamente; E as galerias de arte Vicente do Rego Monteiro, Massangana e Baobá abriram edital de Residências Artísticas, onde os contemplados terão que ministrar workshops sobre os trabalhos expostos; Os apoios à pesquisa e fomento através de editais públicos foram ampliados.

O mais importante reconhecimento público da comunidade científica sobre o trabalho que vem sendo desenvolvido na Fundaj foi obtido recentemente, na abertura da 64ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), no Maranhão, quando a instituição recebeu das mãos do Ministro Marco Raupp (MCTI) o Prêmio José Reis de Divulgação Científica, criado pelo CNPq.

O prêmio vem coroar o desempenho da Fundaj em ações de divulgação científica consideradas exemplares pela comissão julgadora: o case do site Pesquisa Escolar – campeão de acessos, com mais de 2,5 milhões de visitas; a revista eletrônica “Coletiva”, com edições trimestrais cuidadosamente elaboradas; os equipamentos culturais do Engenho Massangana, Massangana Multimídia Produções e Museu do Homem do Nordeste; e a promoção da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, que faz parte do calendário fixo anual de atividades da Fundaj desde 2004.

A instituição tem desenvolvido ações práticas de Capacitação e Desenvolvimento Profissional desde o início de 2012. Entre eles o Curso de Especialização em Gestão Cultural no Nordeste, envolvendo sete estados da Região. O curso é itinerante e é uma parceria entre a Fundaj, MinC e UFRPE. Novas especializações e mestrados como o curso de especialização em Estatísticas Sociais e a proposta de Mestrado Acadêmico intitulado Educação, Culturas e Identidades aproxima a Fundaj do MEC e a consolida como instituição de pesquisa e formação.

A Capes pré-aprovou o primeiro Mestrado Profissional de Ciências Sociais para o Ensino Médio, que será oferecido já em março de 2013 pela Fundação Joaquim Nabuco, voltado para os professores da rede estadual que devem ser indicados pelo Governo do Estado (que vai custear a capacitação) para uma pré-seleção feita pela Fundaj. Esse primeiro mestrado profissional vai contemplar 20 professores. Além disso, a parceria com a Capes possibilitará à Fundaj avaliar programas como o PNPD e PROCAD, recebendo bolsistas (remunerados pela Capes) para nos auxiliar nessa importante tarefa de avaliar políticas públicas.

 

A  autorização do MEC para que a Fundação Apolônio Salles de Desenvolvimento Educacional (Fadurpe) possa atuar como fundação de apoio às ações da Fundaj, permite que sejam eliminados vários entraves burocráticos, tornando os processos mais ágeis.

O Plano de Ação da Fundaj está em plena execução com pesquisas de ponta, como a do efeito da Interiorização das Universidades Federais no Nordeste; o impacto de Suape nos nove municípios estratégicos em seu entorno, e uma sobre Nordeste emergente, que irá identificar, registrar e pesquisar nos nove estados as mudanças em curso que estão consolidando essa Região como a que mais cresce no Brasil.